Apresentação


Escola Bíblica

O Pequeno Galileu

Conforme a IPDA crescia mundialmente, as crianças também precisavam de um local adequado e específico para aprenderem da Palavra de Deus e aceitarem a Jesus Cristo como único e suficiente Salvador. Para isso, a necessidade de uma Escolinha Bíblica era fundamental. Nessa percepção, em 1990, a Escola Bíblia O Pequeno Galileu deu início através da irmã Débora Miranda que, consequentemente, convidou membros professoras, voluntárias, grupos etc., para participarem do ministério infantil nas IPDAs. Portanto, a escolinha bíblica é uma repartição da igreja que cumpre sua dupla função: ensino à Palavra de Deus e evangelização de crianças e adolescentes, numa linguagem apropriada à faixa etária. Para tanto, seis classes foram formadas:

Berçário

00 a 02 anos

Na escola Bíblica, os bebês são evangelizados de maneira que entendam a Palavra de Deus. As frases para evangelização são curtíssimas e muitos recursos visuais são usados, tais como: figuras, dedoches, fantoches, objetos de acordo com a história etc. Uma das maneiras mais práticas de evangelizar é “a evangelização cantada”. O professor pode cantar músicas com palavras simples, fáceis, curtas e lentas.

Dependendo da idade da criança, começa a engatinhar, andar e falar, sendo assim, esta é a grande oportunidade de apresentar Deus como o “Criador” e Jesus Cristo como o “Salvador”.  

Maternal

03 a 04 anos

A criança do maternal gosta de ouvir a mesma história. Você pode evangelizá-la com a mesma história, porém deve fazer uso de materiais diferentes. Vale ressaltar que ela acredita em tudo o que contam, ou seja, é crédula, portanto: a Bíblia é o ingrediente imprescindível a esta idade.

Principiantes

05 e 06 anos

As crianças nesta idade são mais ativas e independentes, decoram versos bíblicos. Por isso, é importante ensinar versículos bíblicos curtos, assim como elogiá-las quando memorizarem o versículo.

Primários

07 a 08 anos

Nesta fase, as crianças adoram “heróis”. Apresente os heróis da Bíblia, mostrando-lhes a recompensa que estes heróis da fé receberam ao agradar a Deus. Conte testemunhos da vida real a fim de incentivá-las a também contarem testemunhos de fé.

Juniores

09 a 11 anos

Os juniores gostam de ler a Bíblia e orar. Será interessante o professor fazer gincanas dos estudos bíblicos.  Mostre a eles, dentro da Palavra de Deus, a importância da oração e o quanto é importante ter intimidade com Ele. Ensine-os a evitar o mal (más companhias, álcool, drogas, furtos, bullying, etc.).

Adolescentes

12 a 15 anos

Ensine doutrina bíblica para seus alunos. Varie as atividades em grupo. Faça palestras com vários temas (sexo, namoro, casamento, profissão, chamado, entre outros). Mostre a eles como agradar a Deus, fugindo dos desejos da mocidade.

Sabe-se que evangelizar as crianças é algo precioso e importante à igreja, pois elas são o futuro para a propagação do Evangelho, devendo ser salvas, evangelizadas e discipuladas na Palavra de Deus: “Assim também não é vontade de vosso Pai que estás nos céus, que um destes pequeninos se perca” (Mateus 18.14). Uma igreja que evangeliza visa à salvação globalmente da humanidade, por isso a IPDA atentou-se também às crianças, para que o Evangelho seja anunciado e multiplicado independente da nação, religião, idade, língua e raça: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no Seu Nome” (João 1.12).

Enfim, a Escola Bíblica O Pequeno Galileu obedece ao “Ide”, citado em Marcos 16.15, e como equipe, todos devem ter o mesmo espírito: E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, compadecidos, misericordiosos e humildes” (I Pedro 3.8). “Então, lhe trouxeram algumas crianças para que lhe as tocasse, mas os discípulos os repreendiam. Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele. Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, os abençoava” (Marcos 10.13-16).